Leia o conteúdo desse blog em teu idioma

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Incompatíveis? Que nada : Até que ponto as diferenças podem ser instigantes e charmosas numa relação

 

 


Ela é adventista; Ele, ateu. Ela é pagodeira; ele se amarra em rock and roll. Ela arranca os cabelos por preocupações à toa; ele segue a rotina de um monge budista. Os casais parecem incompatíveis, mas estão no auge do amor. A ciência comprova o chavão: os opostos se atraem. O psicólogo Thiago de Almeida, especialista em relacionamentos amorosos e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), constatou que as diferenças entre os indivíduos nem sempre são vistas como um entrave para novos relacionamentos.

Ao contrário: ainda que os jovens casais não resistam a "dar um Google" no pretendente ou dissecar o Orkut dele em busca de características - numa espécie de prévia para o ensaio do relacionamento - , a maioria das pessoas acredita que as particularidades de cada um podem instigar a curiosidade e o desejo para que a relação dê certo. Principalmente quando, além de aceitar as diferenças, cada parceiro aposta na admiração e ressalta as qualidades do outro.

O "Anexo D" ouviu histórias de romances que, num primeiro contato, tinham tudo para dar errado, mas que, com respeito e flexibilidade, os casais formaram relações sólidas e duradouras. E como saber até quando devemos apostar para superar os defeitos do outro em prol de um novo amor? Como construir o nós sem destruir o eu? Os especialistas respondem (veja números ao lado).


Saiba mais
57%: consideram que o relacionamento tem maior chance de dar certo quando o casal é diferente. Somente 19% discordam dessa afirmação.
74%: consideram que diferenças excessivas podem conturbar o relacionamento, preferindo então diferenças complementares.
75%: procuram pessoas com qualidades e defeitos previamente estabelecidos.
63%: rejeitam parceiros que, apesar de terem qualidades, tenham também defeitos considerados intoleráveis.
84%: consideram que a admiração é um elemento fundamental para um relacionamento.
77%: concordam que as qualidades de seu parceiro são o que mais atrai na relação.

Um comentário:

  1. "A ciência comprova o chavão: os opostos se atraem" você poderia me dizer qual a literatura que usa para dizer isso? Tudo o que eu li, desde David Buss até teorias bastante renomadas como a The clone attraction apontam o contrário da sua afirmação...
    E como assim: a ciência comprova??

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para mim. Colabore e comente o que achou sobre o texto que você leu. Ao Amor... Sempre!!

Labels