Leia o conteúdo desse blog em teu idioma

quinta-feira, 19 de março de 2015

Dicas que você precisa saber para melhor relacionamentos usando decoração

Existem várias formas de melhorar seus relacionamentos amorosos, desde mudando nossos conceitos pessoais até a interação entre casal. Mas você sabia que pode usar a decoração da sua casa para isso também? A técnica chinesa Feng Shui é milenar e tem se tornado muito popular no Brasil especialmente pelos seus resultados. Esse conjunto de estudos e aplicações mostra que a posição e o tipo de objeto na sua casa pode interferir em diversos aspectos da sua vida, incluindo a amorosa.
Se você quer tornar seus relacionamentos ainda melhores, deve dar uma chance ao Feng Shui. Reunimos algumas das melhores dicas para você aplicar na sua casa.

Seu Quarto é Exclusivo
Seu quarto deve ser um espaço para relaxamento e romance. A energia  nesse ambiente deve ser calma. Para o Feng Shui, trabalhar no quarto é um crime capital – e quem trabalha no quarto sabe o porquê. Além disso, usar dispositivos eletrônicos pode aumentar a dificuldade para dormir e relaxar – existe pesquisas científicas confirmando isso.     

Ambientes positivos
Já reparou que igrejas são historicamente construídas segundo um padrão que geralmente coloca o sacerdote e os símbolos da religião em evidência? Isso não é à toa. Ambientes são pensados para inspirar determinadas sensações, como a fé e a devoção no caso das igrejas, ou o conforto como uma sala de estar.
Ao escolher meus móveis para sala, eu sempre levo em consideração o efeito que eles vão fazer no ambiente – mas não só o estético. No feng Shui, os pares são muito importantes se você quer passar a vida com alguém especial.

Onde está o Cruzeiro do Sul?
O céu sempre foi importante para humanidade. Desde a época de colher até a direção das grandes navegações. Para o Feng Shui não é diferente. Já ouviu falar que as pirâmides do Egito estão alinhadas com a constelação de Órion? Sua casa também sofre influência dos astro. Muita gente usa a astrologia para entender conceitos de compatibilidade de signos mas existem muitos outros fatores. Basicamente, o importante é dispor sua casa de forma que a luz natural beneficie os principais cômodos. Pesquisas científicas recentes comprovam a importância da luz natural para corpo.

As melhores cores
De acordo com o Feng Shui, Rosa, Vermelho e Branco são as melhores cores para atrair amor. Uma parede inteira com uma dessas cores pode ajudar a criar um ambiente que inspire sentimentos amorosos – especialmente no quarto.

Posição da Cama
As regras do Feg Shui para posição dos móveis no quarto são específicas e é bom segui-las. Posicione sua cama na diagonal da porta para manter a privacidade e ver quem está entrando no quarto. Evite posicionar a cama diretamente na diagonal da porta – o feng shui tem muitas ressalvas quanto à essa posição.

Texto de autoria de Bia Gonzalez, arquiteta, carioca, apaixonada por internet e blogueira do www.Decorafino.com.br 



segunda-feira, 16 de março de 2015

O relacionamento do casal durante a gravidez

Gravidez não é doença, muito pelo contrário, é um estado de graça e plenitude vivido pela mulher. No entanto, a coisa pode ser bem menos romântica na prática, sendo esse um período conturbado, repleto de medos e incertezas. É mais comum do que pensamos, grávidas passarem por algum tipo de problema afetivo nessa fase, podendo até desencadear em uma depressão pós-parto ou até resultar na separação do casal.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Como muitas mulheres não se sentem confortáveis a falar sobre esse tipo de assunto, nem mesmo com a melhor amiga, resolvemos quebrar o tabu, trazendo para vocês uma entrevistaexclusiva com Thiago de Almeida, psicólogo especialista no tratamento das dificuldades do relacionamento amoroso e autor dos livros “A arte da paquera: inspirações à realização afetiva” e “Amor, ciúme e infidelidade – como essas questões afetam sua vida”, dentre outros.
Alguns homens consideram o sexo durante a gravidez extremamente excitante, enquanto outros nem querem ouvir falar do assunto. Ambos os casos são perfeitamente normais e dependem de uma série de fatores, mas uma coisa é certa: a vida sexual muda na gestação. Um influenciador dessa alteração é o fato de algumas gestantes ficarem impedidas de terem relações sexuais em função de uma gravidez de alto risco.
Essa proibição, que pode levar meses ou até mesmo durar toda a gestação, causa na mulher muita insegurança. Para Thiago, “os casais devem priorizar o diálogo em qualquer situação, em qualquer momento de uma relação. Se existe uma situação de risco para a mulher que está grávida e para o bebê, o casal deve entender que nesse momento a prioridade é a saúde da mãe e da criança. É uma situação passageira e que pode ser evitada para prevenir problemas futuros. Deve haver companheirismo e diálogo para se chegar a uma solução, sem prejuízo para os parceiros e sem que a mulher sinta-se insegura”. E dá a dica: “Existem muitas maneiras de se relacionar sexualmente sem que haja penetração”.
O nascimento do bebê pode não significar a volta da rotina sexual do casal. Isso porque algumas mulheres, ainda desacostumadas com o corpo modificado pela gravidez, se sentem com a autoestima muito baixa, ficam incomodadas com o aleitamento materno e acabam evitando seus parceiros. Thiago garante que isso é extremamente comum após o parto, já que há o aumento de peso, inchaço, muitas vezes falta tempo para a vaidade, visto que as atenções estão todas voltadas para o recém-nascido.
De acordo com o psicólogo, nesse caso, mais uma vez o diálogo deve entrar em cena.Conversar é fundamental nesses momentos. É preciso que os parceiros discutam sobre esse assunto e se respeitem. O parceiro tem que levar compreensão e segurança à parceira, para que ela passe de forma tranquila por esta fase e perceba que não é por estar fora de forma que o amor e o desejo acabarão, ao contrário, estará mais fortalecido por terem um filho na vida deles”explica.
Essa fase de compreensão e solidariedade é muito importante para que os problemas não evoluam para a dissolução do relacionamento. Thiago conta que “infelizmente, muitos homens não conseguem superar a fase pós-parto da parceira. Esse período requer muito tato e desprendimento do homem. O bebê chega e requer atenção quase 24 horas da nova mamãe. Se o parceiro não estiver atento a isso ou não compreender está fase, acabará por sentir-se preterido e pode achar que a mulher não o ama mais, não o quer mais. Muitos homens sentem-se enciumados pela atenção que a mãe e as pessoas em geral dão ao bebê, partindo para a briga e até separação. As mulheres também devem perceber esse momento e não deixar o parceiro completamente de lado. Quando o homem é muito ciumento e a mulher nota isso, deve buscar lhe dar mais atenção, a fim de que o relacionamento não esfrie ou acabe”.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Segundo o site babycenter, acredita-se que cerca de 10% das mulheres sofra de depressão pós-parto, embora uma recente pesquisa da Royal College of Midwives, do Reino Unido, tenha indicado que o número possa ser bem maior. Ainda segundo a publicação, depressão pós-parto não é a mesma coisa que uma espécie de melancolia, também conhecida como “baby blues”, ou “blues puerperal”, que geralmente tem início poucos dias depois do parto e provoca tristeza, preocupação, nervosismo e vontade de chorar.
O médico Drauzio Varella explica que a tristeza pós-parto (ou baby blues) é quase fisiológica. De 50% a 80% das mulheres apresentam certa tristeza, certa disforia e irritabilidade que têm início em geral no terceiro dia depois do parto, dura de uma semana a quinze dias no máximo e desaparece espontaneamente. Já a depressão pós-parto começa algumas semanas depois do nascimento da criança e deixa a mulher incapacitada, com dificuldade de realizar as tarefas do dia a dia.
depresso_ps_parto_2
Foto: Reprodução
Para Thiago, “a intensa mudança dos hormônios femininos durante a gestação, o parto e a amamentação colaboram para a depressão. Além disso, a insegurança em relação ao neném, o medo não saber cuidar adequadamente desse novo ser, a baixa autoestima com o corpo, etc… fazem com que a depressão pós parto apareça para muitas mulheres”.  
Para ele, a forma como o parceiro responde a essas inseguranças da mulher, pode influenciar positivamente ou negativamente o quadro: “Se o parceiro não ajudá-la a superar todas essas crises, se não souber segurar a fase com cabeça fria, com paciência, se for um parceiro ausente ou impaciente, com certeza, a depressão pós-parto só prejudicará a mulher, o bebê e o próprio parceiro e a relação poderá sucumbir”, alerta.
Nós queremos saber se você já passou por alguns dos casos citados acima e como foi para você esse momento. Compartilhe conosco sua experiência!

terça-feira, 3 de março de 2015

Workshop "Amor, ciúme, timidez e infidelidade: Como essas questões afetam a nossa vida?"

Para maiores informações clique aqui
Evento para comunidade conduzido pelo Psicólogo Thiago de Almeida, especialista no tratamento das dificuldades do relacionamento amoroso, professor universitário, escritor, consultor e palestrante

Investimento (até o dia 10/04/2015):
Inscrições de Casais - R$ 150,00
Inscrições Individual - R$ 100,00

Ocorrerá no dia 25 de abril (sábado) das 15:00 às 18:00 h

Inscrições: interanalise@hotmail.com
Contato: (11) 2817-1343


O Workshop sobre relacionamentos amorosos no dia 25/04/2015 abordará como a atração física e/ou amorosa não são os únicos responsáveis na hora de se ter sucesso na área amorosa. Muitos fatores estão envolvidos e dessa forma é necessário termos conhecimento sobre o que fazer, como agir, em quem investir para não continuarmos frustrados acreditando que o amor é para alguns privilegiados. Será mesmo?
A temática dos relacionamentos amorosos é uma das áreas mais importantes da vida das pessoas. Infelizmente, tal importância é mais bem percebida quando as coisas não vão bem. Quando isso acontece tanto o nosso humor, quanto a nossa capacidade de concentração, a nossa energia, o nosso trabalho e a nossa saúde, dentre outras dimensões das nossas vidas, podem ser profundamente afetados. Carências, encontros, desencontros e reencontros afetivos são temas comuns, quando se trata de amor e mobiliza os seres humanos entre si, na tentativa de serem felizes e se realizarem.
Alguns erros que são cometidos no início de um relacionamento amoroso, como a escolha de um parceiro errado, podem nos custar um alto preço durante todo o tempo que o relacionamento durar. Tais prejuízos podem se estender para as famílias dos envolvidos, bem como para os filhos que esse casal possa vir a ter...
Portanto, nesse WORKSHOP, o PSICÓLOGO THIAGO DE ALMEIDA, estudioso da temática dos relacionamentos amorosos, buscará dar suporte a esses e outras lacunas existentes, no qual pretende-se discutir muitas de suas dúvidas em 5 tópicos, agrupando muitos dos interesses que chegam aos consultórios, escolas, famílias, etc.
Quem não tem ou quem não teve um relacionamento complicado? Se você está sofrendo com o desamor e a solidão do dia-a-dia, ciúme, infidelidade, carência afetiva, abandono, dentro ou mesmo fora de um relacionamento amoroso, juntos poderemos achar a solução para seu problema.
A quem é destinado esse workshop?
Aqueles que preferem ficar com o coração vazio por crerem que ninguém pode invadir a solidão de seu dia-a-dia sem lhes fazer companhia;
Aqueles que ‘inexplicavelmente’ brigam, desmancham seus relacionamentos, voltam e hoje estão juntos num instável equilíbrio emocional;
Aqueles que compreendem o amor como uma ameaça, e assim tem medo de se magoar, fogem do mesmo, e preferem guardar esse sentimento só para si!
Aqueles que acham que se relacionar amorosamente não se aprende em cursos, e sim no dia a dia, mas preferem ter vivências amorosas infelizes por não darem o braço a torcer;
Aqueles que são tímidos(as) para conseguirem desfrutar das coisas boas que a vida lhes oferece;
Aqueles que acreditam que sofrer por alguém é uma das piores coisas que existe;
Aqueles que já têm um relacionamento amoroso e querem conservá-lo;
Aqueles que não têm um(a) namorado(a) e não sabem como fazer para conquistá-los;
Aqueles que não entendem porque alguns homens e algumas mulheres não conseguem se comunicar direito;
Aqueles que não sabem mais o que fazer para serem felizes amorosamente;
Aqueles que já fizeram tudo de errado movidos pela baixa auto-estima e carência;
Aqueles que se sentem culpados por tudo de errado que lhes acontecem em seus relacionamentos e querem ter uma palavra de alento;
Enfim, para aqueles que por estarem tão machucados têm medo de não conseguir mais acreditar no amor.
Portanto, faça sua inscrição agora e venha compartilhar suas experiências conosco, e além disso, obter ajuda para os seus problemas. Esse não é mais um curso de autoajuda.


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

COMO APROVEITAR MELHOR AS VIAGENS A DOIS?


Compartilhar: 

Quem não quer passar mais tempo ao lado do parceiro? São poucos os casais que conseguem se ver todos os dias ou todos os finais de semana. E para estreitar ainda mais os laços nada melhor do que uma viagem a dois, não é verdade?
Entretanto, se ela não for muito bem planejada, pode virar sinônimo de briga. O primeiro problema que ocorre é a cobrança, principalmente quando uma das partes precisa adiar o passeio de última hora porque não consegue sair do trabalho a tempo.
As frases: "Mas você prometeu que isso não ia acontecer" ou "Já estava tudo programado", sempre vão aparecer. "Por isso, os compromissos do dia a dia precisam ser bem planejados para que estes imprevistos não acabem com a empolgação", explica o psicólogo Thiago de Almeida, especialista no tratamento das dificuldades nos relacionamentos amorosos e autor do livro "A Arte da paquera: inspirações à realização afetiva" (Ed. Letras do Brasil).
Outra dica do Dr. Thiago é o casal se lembrar de fazer roteiros para as diferentes mudanças de tempo. "É preciso ter sempre um plano B. O local a ser visitado pode estar fechado ou haver um trânsito terrível para impedir algum compromisso. Essas adversidades precisam servir como ponto de união e são alguns dos fatores que contribuem para que um relacionamento dê certo", diz.
E na hora de pensar o destino, o casal deve levar em consideração os gostos dos dois. Não adianta o rapaz querer fazer rapel se ela não gosta de adrenalina, por exemplo. O passeio precisa ser estimulante para os dois.
Outra atitude errada durante viagens desse tipo é quando uma das partes leva trabalho ou um livro para o passeio. "Nada impede que você faça palavras cruzadas enquanto seu companheiro tira um cochilo ou vice-versa, mas não dá para ficar o tempo todo lendo. A viagem serve para ter mais tempo com o parceiro, conversar, investir na relação", alerta o especialista.
Dr. Thiago conta também que nessas viagens as pessoas relaxam e ficam mais próximas para reafirmarem suas presenças dentro de um relacionamento. "Todos os dias, de alguma forma, os parceiros se cortejam, mas, neste caso, sair da rotina se assemelha a um momento lúdico, para que um analise o comportamento do outro".
Na viagem acontecem muitas coisas legais quando os casais estão juntos. Nelas, o rapaz consegue perceber, por exemplo, se a moça é realmente aventureira ou mais tranquila. "Ninguém possui um repertório pronto para vivenciar este momento. E o mais interessante é poder descobrir e se surpreender com as emoções da outra pessoa. E sabendo disso, fica mais fácil encontrar roteiros que possam ajudar um a curtir o outro em suas diferentes facetas", comenta Dr. Thiago.
Um detalhe importante: o homem não deixa de ser quem é porque está em viagem. O mesmo acontece com a mulher. O ciumento ou tímido no dia a dia é assim também fora da rotina. E algumas características dos sexos são evidenciadas quando se passa a ter mais contato. "Se a mulher gosta de passar horas fazendo compras, isso ficará mais claro durante a viagem. São coisas que o rapaz não percebe no cotidiano, quando está no trabalho".

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Dez curiosidades sobre a vagina podem mudar a sua vida

Dez curiosidades sobre a vagina podem mudar a sua vida

Thais Carvalho Diniz
Do UOL, em São Paulo
 Ouvir texto
 
0:00
 Imprimir Comunicar erro
  • Getty Images
    Mulheres podem sentir-se desconfortáveis com a sua vagina por saber pouco sobre ela
    Mulheres podem sentir-se desconfortáveis com a sua vagina por saber pouco sobre ela

Se você que está lendo esta reportagem é uma mulher, provavelmente, se identificará com pelo menos alguns dos itens listados abaixo. Se é homem, o texto pode ajudá-lo a entender melhor a sua parceira. O assunto? A vagina. 
Para começar, é preciso diferenciar vagina de vulva. A vulva compreende toda a genitália feminina, incluindo a vagina, que é apenas o canal interno da vulva. Mas até os médicos se referem ao conjunto como vagina. 
O inglês Jamie McCartney criou, em 2011, o "Great Wall of Vagina" (grande mural da vagina, em tradução livre), que traz 400 órgãos esculpidos de gesso, formando um conjunto de dez painéis, justamente para mostrar que, assim como o pênis, cada vagina tem formato, tamanho (pelo menos externo) e aparência diferentes. 
"Muitas mulheres se preocupam com o aspecto do seu órgão genital e o comparam. Pensei que quando elas vissem todas aquelas vaginas no mural se sentiriam mais seguras. É a arte com um propósito social, além de ser um espetáculo surpreendente, claro", afirma o artista. 
Jamie, que disse conhecer apenas cerca de dez das 400 que serviram como voluntárias para o projeto, contou que teve como objetivo "libertar as mulheres da ansiedade e dúvida sobre a estranheza de seu corpo". E deu resultado: "Várias me mandaram e-mails falando que meu trabalho mudou suas vidas, que a autoestima aumentou. Isso é incrível".
Divulgação
Parte do "Great Wall of Vagina" (grande mural da vagina, em tradução livre), de Jamie McCartney, que estampou 400 vaginas esculpidas em gesso
A seguir, listamos dez curiosidades. Confira: 
1. Tamanho: a vagina é elástica e, segundo Flávia Fairbanks, membro da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo), o tamanho muda de acordo com a idade. "Na fase adulta, tem de 7 cm a 8 cm de comprimento, em repouso. Durante a relação sexual, essa medida pode chegar a 12 cm de comprimento e 3 cm de largura", afirma. Flávia explica que a cavidade vaginal atinge o máximo de dilatação durante o trabalho de parto: 10 cm.
2. A vagina "fala": marcas ou manchas na calcinha, mau cheiro e coceira podem ser sinais de alguma doença. O corrimento, porém, nem sempre é um problema: quando é inodoro, trata-se de um mecanismo natural de defesa da mulher. "Quanto ao sexo, dor durante a penetração ou dificuldade de lubrificação podem denunciar uma disfunção sexual que precisa de tratamento", explica a terapeuta sexual Paula Napolitano.
3. Ruídos: você já se constrangeu durante o sexo por causa de algum barulho na hora da penetração (parecido com gases)? "É normal. Com o movimento sexual, pode haver a entrada de ar na vagina", afirma Carolina Ambrogini, ginecologista, sexóloga e coordenadora do Projeto Afrodite da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).
4. Depilação não faz mal: de acordo com as ginecologistas Flávia Fairbanks e Carolina Ambrogini, os pelos servem como proteção contra atrito e entrada de corpos estranhos na vagina. Porém, não há mal nenhum em depilá-los. "Para as mais sensíveis, deixá-los é mais confortável, por conta do atrito, mas nada é proibido ou prejudicial", diz Carolina. 
5. Plásticas: algumas mulheres se incomodam com o tamanho dos lábios genitais e buscam na cirurgia plástica a saída para se sentirem mais confortáveis com seu corpo. Segundo Luiz Carlos Ishida, cirurgião plástico e membro da SBP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica), a procura por esse tipo de intervenção aumentou. "Em 2010, realizávamos cerca de quatro operações dessas por ano. Hoje, não passamos uma semana sem fazer".
Ampliar

Dez motivos que podem impedir a mulher de chegar ao orgasmo11 fotos

1 / 11
O orgasmo é o pico do prazer sexual. Mas, para muitas mulheres, o clímax é difícil de ser atingido (e algumas nunca conseguiram). "Toda mulher pode sentir e sabe reconhecer um orgasmo", afirma Amaury Mendes Júnior, ginecologista, terapeuta sexual e professor do ambulatório de sexologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). "As dificuldades começam a aparecer se ela foi reprimida durante a infância e a juventude e, por isso, não reconhece o seu corpo como fonte de prazer. Nesses casos, o estímulo do parceiro pode ser essencial para que ela se solte e seja feliz sexualmente". A seguir, o UOL Comportamento explica dez motivos que podem impedir o orgasmo feminino de acontecer. Por Thais Carvalho Diniz, do UOL, em São Paulo Leh Latte/UOL
6. O poderoso clitóris: muitas mulheres chegam ao orgasmo apenas com o estímulo do clitóris, que está localizado na parte exterior da vulva. Segundo Paulo Tessarioli, psicólogo especialista em sexualidade humana, o órgão tem cerca de oito mil terminações nervosas e, por isso, é tão sensível. "Esse detalhe da anatomia feminina é muito curioso, já que a mulher tem um órgão destinado exclusivamente ao prazer", afirma.
7. Tamanho não é documento: se formos levar em consideração a possibilidade de prazer feminino, a afirmação de que o tamanho do pênis não importa procede. "Os cinco primeiros centímetros da vagina são os mais ricos em terminações nervosas e, por isso, dizer que o pênis maior dá mais prazer é um mito", explica a terapeuta sexual Paula Napolitano. Além disso, a vulva pode ser explorada por inteiro.
8. Transpiração e ventilação: muitas mulheres se incomodam com o suor vaginal, mas, de acordo com Flávia Fairbanks, por ter grande quantidade de glândulas sudoríparas, a transpiração é natural. "Algumas mulheres relatam que é a região do corpo onde mais suam", conta. Ela explica que, como é um órgão fechado e, por isso, quente e úmido, é favorável à proliferação de fungos e bactérias. "Por isso, quanto mais ventilado for, menores as chances de infecções. Dormir sem calcinha ou usar peças 100% algodão é altamente recomendado". 
9. "Autolimpeza": segundo a médica Flávia Fairbanks, o corrimento inodoro e esbranquiçado é o responsável por eliminar toxinas, bactérias e células mortas vaginais. Justamente por isso, não é preciso lavar o canal vaginal. "Usar água e sabonete com pH neutro na região externa já é suficiente para manter a higiene", diz. 
10. Ginástica vaginal: o pompoarismo é um treinamento da musculatura vaginal que aumenta o prazer sexual do casal durante a penetração. Além disso, a vagina é composta por músculos e precisa ser exercitada, assim como o resto do corpo, segundo a terapeuta sexual Paula Napolitano. "Faz parte do bem-estar e do autoconhecimento feminino. Exercícios como os de contração e relaxamento ajudam a fortalecer a musculatura e deixam a vagina mais sensível. São muito indicados para problemas que podem surgir com a idade, como a flacidez genital e a incontinência urinária". 
Ampliar

Veja dez 'encanações' femininas que preocupam mais a mulher do que o homem11 fotos

6 / 11
EXPRESSAR A VONTADE DE TER FILHOS: é fundamental deixar claras as expectativas que você tem para o seu futuro. E isso inclui ter filhos, se for essa a sua vontade. "As pessoas imaturas se assustam com qualquer coisa que confronte sua aparente liberdade pessoal. Por isso, se a ideia de um filho assusta um homem, talvez seja sinal de que ele evita lidar com temas mais delicados", diz Frederico Mattos. Mas a mulher não deve ter medo de falar sobre sua vontade de ser mãe, quando ela tem Leh Latte/UOL

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Downloads GRATUITOS dos meus mais recentes livros

Os livros são: Enigmas do Amor http://www.thiagodealmeida.com.br/site/node/161 ; Relacionamentos amorosos: o antes, o durante e o depois. Volume 2 (http://www.thiagodealmeida.com.br/site/node/158) ; Relacionamentos amorosos: o antes, o durante e o depois. Volume 1(http://www.thiagodealmeida.com.br/site/node/147 ) e  Ciúme e suas consequências para os relacionamentos amorosos (http://www.thiagodealmeida.com.br/site/node/156)

Labels