Leia o conteúdo desse blog em teu idioma

sábado, 18 de dezembro de 2010

Procura-se namorado

Procura-se namorado

As mulheres solteiras atestam: falta homem no mercado. Muitas reclamam até da quantidade, mas o que anda em baixa mesmo é qualidade

18/12/2010 - 17h20 - Atualizado em 18/12/2010 - 17h20
A Gazeta
  1. Notícia
  2. Enviar por e-mail
Imagem Exemplo Imagem Exemplo
Elaine Vieiraevieira@redegazeta.com.br

As mulheres solteiras atestam: falta homem no mercado. Muitas reclamam até da quantidade, mas o que anda em baixa mesmo é qualidade. Afinal, o último censo mostra que existem 97 homens para cada 100 mulheres no Espírito Santo. Uma diferença pequena, se comparada ao tamanho das reclamações das moças.

O problema - elas apontam - é que os homens não estão a fim de compromisso. Só querem saber de balada. Ligar no dia seguinte? Melhor esquecer.

E não pense que isso é papo de mulher encalhada, que só quer arrumar marido. Bem sucedidas e independentes, elas querem sim um companheiro. Mas com a baixa qualidade da oferta, estão preferindo ficar sozinhas.

E aí, vêm os homens, reclamando que as mulheres são exigentes, alguns até assustados com a independência delas. E continua todo mundo solteiro.

Tanto desencontro, para a psicanalista Regina Navarro, autora de "A cama na rede", entre outros livros sobre relacionamento, se deve ao fato de que estamos em plena mudança de comportamento da sociedade.

"Essa mudança começou com os anticoncepcionais, e ainda vai demorar para acabar. Por isso, hoje, mulheres autônomas dividem espaço com aquelas que ainda acham absurdo dividir a conta do motel, que só querem os benefícios da liberação. O mesmo acontece com os homens. Apesar de gostarem e se beneficiarem disso, ainda tem um monte que fica grilado quando a mulher transa no primeiro encontro", destaca.

Mas será que os homens só querem sexo casual? Eles garantem que não. Afinal, namoros e casamentos continuam acontecendo. "As mulheres também querem sexo, a diferença é que elas o encaram com um meio para ter um relacionamento sério, e não como prazer em si, como os homens", frisa Regina.

Se ninguém quer ficar sozinho, a saída é se abrir para novas oportunidades. "As pessoas vão para a balada encontrar parceiros, mas se esquecem de olhar para os lados no dia a dia. Quando se tem algo em comum, é muito mais fácil que o relacionamento dê certo", orienta o psicólogo especialista em relacionamentos Thiago de Almeida.

O psicoterapeuta Aílton da Silva dá o recado: "Homens também se apaixonam, precisam de relacionamentos afetivos e se comprometem com suas parceiras. Mas eles estão mais abertos para o sexo casual do que elas, o que pode ser uma oportunidade de aprendizado para ambos", opina.

"Namorei por muito tempo, mas hoje entendo quem não quer compromisso. É uma questão de prioridade"Stephanie Cunha, 19 anos, comerciária

"É difícil encontrar alguém para namorar sério. Fica mais fácil se você já tem amizade com a pessoa"Isabela de Andrade, 19 anos, estudante

"Não sinto necessidade de namorar agora. Tenho muitos amigos homens, iria rolar ciúme e quero minha liberdade"Rafaella do Couto, 21 anos, Estudante

"No rock, não pego telefone. Mulher de balada não é para namorar. Nesses lugares ninguém quer nada sério"Flávio Bianchi, 25 anos, estudante

"Homem gosta de mulher difícil, que se valoriza. Se for fácil, pegar um monte na balada, a gente perde o interesse"Renan Guerra, 20 anos, estudante

"Não nego que é bom transar no primeiro encontro. Mas é difícil engatar um relacionamento a partir daí"Victor Chieppe, 20 anos, estudante

Romântica, ela não liga de ficar "para titia"

"Está difícil até para conversar com os homens", aponta a assistente de exportação Flávia Souza Santuzzi, 37 anos. Solteira há quatro, ela reclama que eles não se importam mais com a conquista. "Não se dão nem ao trabalho de perguntar seu nome numa festa, só querem beijar. Por esse tipo de relação, prefiro ficar sozinha", frisa. Mesmo vendo as amigas e as irmãs namorando, casando e tendo filhos, ela não liga de ficar "para titia". "Sou uma pessoa à moda antiga. Enquanto não encontro alguém especial, vou aproveitando a vida", detalha.

Para ela, falta maturidade aos homens

A funcionária pública Luciene Vervloet Feu Rosa, 46 anos, já foi casada, mas acha que está difícil engatar um relacionamento sério. Solteira há 24 anos, ela já teve namoros longos nesse período, mas afirma que falta homem com quem queira dividir a casa novamente. "Casei nova, com 17 anos. Depois que conquistei independência, não abro mais mão dela. E isso assusta os homens". Bem-resolvida com a solteirice e bem-sucedida na vida profissional, Luciene reclama. "Os homens da minha idade são muito possessivos. Já aos mais novos, falta maturidade", aponta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para mim. Colabore e comente o que achou sobre o texto que você leu. Ao Amor... Sempre!!

Labels