Qual livro escrito pelo psicólogo, Dr. Thiago de Almeida, você já teve a oportunidade de fazer o do

Leia o conteúdo desse blog em teu idioma

domingo, 3 de março de 2013

MENTIRAS E OMISSÕES NO RELACIONAMENTO


Mentiras e omissões minimizam crises de relacionam
O ser humano mente desde criança, seja para manter sua autoestima ou para que os outros tenham uma boa imagem dele. Mas será que esta atitude combina com relacionamentos amorosos? Para muitos casais, a verdade é requisito básico para manter a união. Entretanto, psiquiatras e terapeutas alegam que levar essa tal verdade ao pé da letra pode magoar o parceiro e dar início a crises que nem sempre são fáceis de serem contornadas.
Na opinião do Dr. Thiago de Almeida, psicólogo especialista no tratamento das dificuldades nos relacionamentos amorosos, nenhum casal está imune à mentira. "Mentimos para que o nosso parceiro não sofra. Não estamos preparados para conflitos e discussões e nem para ouvir 100% da verdade. É melhor dizer para a atual parceira que você não tem mais contato com a ex, por exemplo, para não comprometer a relação", comenta. "O ser humano prefere ouvir uma mentira a uma verdade que lhe possa ser desagradável."
O especialista ressalta ainda que o ser humano precisa da aceitação do outro para se sentir melhor, uma vez que é carente de amor e elogio. "A maquiagem, o perfume, o salto alto, por exemplo, são artifícios para modificar a imagem que temos de nós mesmos", diz. "O mesmo acontece quando o assunto é o número de parceiras. Os homens, para se gabar, contabilizam mais mulheres do que realmente tiveram. Se eles conheceram duas, dizem 10. Já as mulheres são o contrário. Para não serem consideradas promíscuas, em vez de 10 contabilizam dois."
Mas como diz o ditado, a mentira pode sim ter perna curta. "Ela tem benefícios e malefícios. Confessar que a parceira está gorda pode ser positivo até determinado ponto. E quando ela para de funcionar traz muitas desvantagens. Uma mulher pode para de se relacionar com um rapaz se descobrir que ele a traiu", acredita Dr. Thiago.
Foi o que aconteceu com a enfermeira Ana Cecília, de 34 anos. Ela tentou lidar com as mentiras do namorado, mas como a confiança no rapaz chegou ao fim, o relacionamento ficou bastante comprometido. "Ele flertava com as ex-namoradas e, mesmo com as evidências, negava", conta.
Ana disse que brigou, chorou e pressionou o companheiro a dizer a verdade. E mesmo sem a confissão, decidiu manter o relacionamento, que já durava oito meses. "Só que a minha desconfiança não cessou e levou ao término do relacionamento em um ano e dois meses. Tentamos voltar, ele quis se justificar, mas não teve jeito", afirma.


Cada cabeça, uma sentença
Dentro de um relacionamento, verdade é sinônimo de fidelidade. Porém, segundo Dr. Thiago, é mais comum disfarçarmos nossas próprias imperfeições e cobrar uma boa conduta do outro. Afinal de contas, a mentira é boa para enganar a nós mesmos. "Quando dizemos que não traímos, quando na verdade traímos, estamos tentado diminuir nossa culpa, dizer que a gente comete apenas deslizes e que os erros dos outros são mais sérios."

Não existe um manual sobre como assimilar ou dizer uma mentira, mas o especialista acredita que o tempo de relacionamento pode interferir no jeito como o casal lida com ela. "O tempo ajuda sim a desenvolver a leitura do comportamento alheio. Em um determinado momento, um percebe que o outro está mentindo, mas não liga. Cada casal precisa definir seu jeito de lidar com isso", acredita Dr. Thiago.
Já no começo do namoro acontece o que o Dr. Thiago de Almeida define como a "fórmula do príncipe encantado". "Temos a tendência de melhorar a imagem do outro, enquanto o parceiro mostra o seu melhor. Com o aumento da familiaridade, passa-se a ter uma visão mais realista do outro e a mentira afeta cada vez menos a relação", explica. "Um exemplo típico é quando a mulher alega que está com dor de cabeça para não fazer sexo. É uma mentira politicamente correta, pois é mais fácil falar isso do que dizer que está com sono, deixando o parceiro chateado. Ele acaba aceitando a desculpa para não criar uma situação ruim", afirma.
Porém, quando se desmente ou se descobre a mentira do outro, dá-se início a um conflito, cujas proporções variam de casal para casal. "Nessa hora um bom diálogo pode levar o casal a uma conciliação", aconselha Dr. Thiago.
Por Juliana Falcão (MBPress)

Perdoei uma traição mas me tornei uma pessoa neurótica; e agora?





Heloísa Noronha
Do UOL, em São Paulo

  • Orlando/UOL
    Após uma traição, esconder sentimentos como mágoa e desconfiança não resolve o problema; abra o jogo
    Após uma traição, esconder sentimentos como mágoa e desconfiança não resolve o problema; abra o jogo
Encarar a infidelidade nunca é fácil, pois entram em jogo fatores como autoestima, confiança, cumplicidade e vida sexual e muito mais. É claro que é possível superar o sofrimento inicial, perdoar e dar continuidade à relação. 


O problema é que, frequentemente, o perdão não faz com que a pessoa traída se esqueça por completo do ocorrido, e passa a esconder sentimentos de dúvida, ciúme e um medo terrível de que uma nova traição aconteça.

Essa paranoia oferece o risco de colocar a perder um relacionamento que pode e vale a pena ser reconstruído. Para acabar com a insegurança –ou, pelo menos, mantê-la em um nível saudável e menos dolorosos– , confira três orientações básicas:

Perdoe de fato, não da boca pra fora

Segundo Thiago de Almeida, mestre pelo Departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo), não são poucas as pessoas que tentam evitar os conflitos para preservar a relação em momentos difíceis como uma traição.
Ampliar


Conheça dez sinais que homens e mulheres revelam antes de trair seus parceiros11 fotos

1 / 11
Fases de insatisfação pessoal, intromissão da família no casamento e conflitos com o nascimento do primeiro filho são questões que merecem atenção especial, pois podem abrir espaço para que uma terceira pessoa surja no caminho e sirva como válvula de escape de um relacionamento desgastado. Quem já vem pesando os prós e contras de trair pode dar pistas, sem perceber, sobre o que está pensando em fazer. UOL Comportamento ouviu especialistas sobre as atitudes mais comuns que indicam essas possibilidades. Por Heloísa Noronha, do UOL, em São Paulo Orlando/UOL

"Há quem tente simplesmente colocar uma pedra sobre o assunto, em vez de esmiuçá-lo, o que transforma o perdão em algo superficial. Por fora, a pessoa quer mostrar que tudo está bem, mas internamente fica analisando o tempo todo o comportamento do parceiro, em busca de pistas sobre uma nova infidelidade", diz.


O psicólogo diz que quem foi traído e não consegue desculpar de verdade, em vez de gastar energia e se concentrar nos novos rumos do romance, começa a perseguir o outro, vasculhar suas coisas, seguir seus passos nas redes sociais. Por isso, discutir a relação é necessário para superar o problema. E isso não significa apontar os erros de cada um, mas assumir responsabilidades e novos comprometimentos.

Não se apegue detalhes

Questionar alguns pontos sensíveis do relacionamento para tentar elaborar ou até mesmo explicar a traição é uma coisa. Tentar descobrir os detalhes, inclusive os mais sórdidos, sobre em que circunstâncias ela aconteceu é outra bem diferente (e muito nociva). O que importa se o sujeito que a fez perder a cabeça é careca e tatuado? Faz diferença saber como é o carro da mulher com quem ele foi para a cama? Evite alimentar ainda mais a paranoia.

"Pior ainda é forçar o traidor a contar os pormenores sobre as relações sexuais que tiveram. Isso só serve para se machucar ainda mais, e em um momento em que é preciso ser uma pessoa inteira para reconstruir a autoestima e ter um olhar diferente sobre a relação", conta a psicóloga Raquel Fernandes Marques. Ela afirma, ainda, que em muitos casos o sexo só funcionou como uma válvula de escape, não como a motivação principal para a infidelidade. "É claro que é preciso conversar sobre o que houve, senão o tema vira tabu. Mas certas particularidades não têm a ver com a história do casal, e é ela que merece ser analisada", declara Raquel.

Dê um voto de confiança

Você perdoou a infidelidade, a convivência vai bem, seu parceiro parece realmente arrependido, mas a insegurança volta e meia marca presença na sua cabeça. Abra o jogo sobre seus sentimentos; afinal, o diálogo sempre é o melhor caminho para solucionar qualquer crise na vida de um casal. No entanto, não transforme as confissões em um mecanismo de cobrança e de vingança.


"Agir dessa forma é condenar ao fracasso um relacionamento com chances de dar certo, de se restabelecer", afirma a terapeuta sexual e de casal Carmen Janssen. Por mais que doa, ela explica que é preciso ter consciência de que, se a traição aconteceu, é porque houve espaço para a entrada de uma terceira pessoa.



Assumir a parcela de responsabilidade sobre o que houve é sinal de maturidade e ajuda a enxergar o parceiro como ele de fato é, e não sob a visão distorcida da mágoa e da raiva. "E é necessário dar um voto de confiança, acreditar na palavra alheia. Afinal, vocês construíram uma história juntos. Em vez de se concentrar nos erros, que tal pensar nas coisas positivas do relacionamento e, assim, seguir mesmo em frente?", diz Carmen.

Eu, você e nossa individualidade: descubra por que ela é tão importante para os relacionamentos





Viver sob o mesmo teto, na saúde e na doença, exige muito mais que amor. No modelo contemporâneo de convívio, há cada vez mais espaço para a individualidade – o casal não precisa ser aquele “grude” o tempo inteiro. Ainda bem

Reportagem: Débora Didonê – Edição: Amanda Zacarkim
Conteúdo  Vida Simples
 
Manter a individualidade é uma das chaves para o relacionamento amoroso
Ilustração: Renato Faccini
O amor continua sendo lindo, mas é cada vez mais raro abrir mão do que se gosta em nome dele. Os casais começam a descobrir que respeitar de verdade gostos pessoais, manias, idiossincrasias – a tal singularidade – é cada vez mais uma peça importante no mecanismo que faz o casamento realmente funcionar.
Um e um são três
Estamos em tempos de ênfase ao individualismo. Um casal não foge à regra: é a soma de olhares de dois seres únicos. No estudo Casamento Contemporâneo: o Difícil Convívio da Individualidade com a Conjugalidade, da PUC-RJ, a especialista em terapia familiar e de casal Terezinha Féres-Carneiro afirma que, na lógica do matrimônio, um e um são três. A relação é determinada por dois sujeitos, duas percepções de mundo e dois projetos de vida que convivem com uma relação amorosa, uma identidade conjugal e um projeto de vida do casamento. Para Terezinha, aí está todo o fascínio e toda a dificuldade de ser casal hoje em dia. Não por nada, os casórios rareiam e os divórcios crescem. “Um casamento no Brasil dura em média dez anos porque, em geral, as pessoas não se aprofundam uma na outra”, diz a terapeuta de casais Cláudya Toledo. Ser solteiro vira uma opção de vida exatamente pela sensação de liberdade, de ser o dono do próprio nariz. Para um casal criar um modelo único de convívio, com espaço para cada personalidade expressar o que sente, é preciso tempo e energia. Afinal, sentir que você se encaixa com alguém que admira muito soa como uma ameaça à própria identidade, já que você vai compartilhar com a pessoa momentos de uma vida que era só sua. “Tem gente que não tem paciência porque realmente dá trabalho. Mas vale a pena pelo amadurecimento, a amizade, o suporte emocional, os momentos engraçados, a nova percepção do mundo. Vale a pena pela história que você vive”, diz Marjorie.
De fato, o ser humano não nasceu para viver só. Por isso, as amizades. Com os amigos, acima de tudo, trocamos ideias. Segundo o psiquiatra Flávio Gikovate, em Uma História do Amor… com Final Feliz, nossos camaradas nos garantem um aconchego intelectual. O amor é diferente. Diz respeito à necessidade de ter de volta o colo materno, uma referência que fica registrada em nosso subconsciente. Com o passar dos anos e a manifestação mais intensa da sexualidade, essa sensação volta a definir as relações de um adulto.

“Mesmo quando mal conhecemos a pessoa escolhida, passamos a nutrir por ela um sentimento parecido com o que tínhamos por nossa mãe”, escreve Gikovate. Conquistado, o amor não satisfaz completamente. É como quando éramos crianças: ficar no colo da mãe era gostoso, mas significava parar de brincar e de fazer também o que nos dava na telha.
Mas quem é que consegue satisfazer todas as vontades ao lado da mesma pessoa o tempo inteiro? “Acontece que a vida prática mudou muito. E, com ela, as motivações. Os casais estão juntos, mais do que tudo, para curtir a vida, para o convívio prazeroso e os projetos de vida mais voltados a atividades lúdicas. As diferenças passam a ser importante fator de irritação, ao passo que as afinidades se tornam muito mais interessantes”, escreve o psiquiatra. Essa memória conjunta de vivências dá sentido à vida.
Os amigos por perto
Muita gente diz que é preciso amar a si mesmo para então amar o outro. Talvez não seja bem por aí. Gikovate descreve o amor como algo interpessoal. “É o sentimento que temos por quem nos provoca sensação de paz e aconchego”, afirma em seu livro. Antes de entrar de cabeça em uma relação, cada um deve ter em mente em que pé está sua autoestima – que, para o psiquiatra, equivale a um juízo de valor, e não a um sentimento. “É uma espécie de nota que damos a nós mesmos – em geral, nota equivocada para menos”. Por isso, deposita-se tanto no outro a expectativa de curar os próprios traumas, medos e desânimo. Mas também se cometem erros do outro lado. Achar bonitinha a carência rotineira do parceiro pode ser um grande problema. “É comum falar que esse é um defeito charmoso do outro, até que o tédio se instala no casamento”, afirma Thiago de Almeida, psicólogo especializado em dificuldades de relacionamento amoroso. Para Cláudya Toledo, não há mais espaço no casamento para pessoas que não sejam autossuficientes. “Ninguém deixa ninguém triste ou alegre. Essa questão é individual. Se estou mal, não vou chegar aos farrapos em casa para que meu parceiro me conserte.Vou fazer ioga, caminhar na praça, qualquer coisa que me faça bem. Ou vou debilitar o casamento”, diz.
Segundo a psicóloga Denise Gimenez Ramos, estar com os amigos no mundo moderno é vital para o equilíbrio emocional. “O casal que se fecha entra em rota de colisão. Ter privacidade com os amigos para falar bobagem é importante, até porque as amizades perduram muito mais que o casamento”, diz ela. Ao mesmo tempo, o espaço conquistado pela mulher no casamento propõe o ideal de igualdade. “No passado, era normal a mulher seguir em tudo as forças as decisões do marido. Hoje, os homens reconhecem sua realização pessoal, seu êxito profissional, suas qualidades, que a distinguem dele”, afirma o consultor Vital Didonet, de Brasília, que completou 25 anos de casamento em 2008. Isso inclui a liberdade individual, essencial a todos em uma relação.
Detalhes de nós dois
Na hora de juntar os trapos, ter ajuda para botar a casa em ordem também é crucial para o bom convívio e, sem dúvida, mexe com o jeito de ser de qualquer um. As fraquezas nunca vão deixar de aparecer. Afinal, somos humanos. Mas, quando um casal prioriza o respeito às singularidades, a dependência emocional dá lugar à amizade, ao erotismo e aos planos em comum, construídos pelo olhar que cada um lança na relação. “Os dois se apoiam, ajudam-se, fortalecem-se, consolam-se, mas sempre olhando para o que está adiante deles”, diz o consultor Didonet. Juntos, sim. Grudados, jamais.
Para saber mais
Uma História do Amor… com Final Feliz, Flávio Gikovate, MG
Eles São Simples, Elas São Complexas, Cláudya Toledo, Alaúde

Sexo: o que fazer no primeiro encontro?

Pesquisa irlandesa afirma que sexo oral aumenta as chances de uma segunda ‘date’. No Brasil, porém, o cenário é outro


  • A pesquisadora Anne Walker Green reuniu 683 mulheres, entre 17 e 49 anos, residentes de Dublin, na Irlanda, para realizar pesquisas sobre o comportamento feminino no primeiro encontro. Durante um ano, as mulheres descreveram os sucessos e fracassos que tiveram em encontros amorosos. 
    O resultado do estudo foi surpreendente, revelando que as mulheres que praticaram sexo oral em seus parceiros na primeira noite elevaram significativamente as chances deste encontro gerar novos convites. 
    E não é só o sexo oral que estimula os irlandeses a procurar uma garota. A prática da masturbação foi citada por 46.5% dos entrevistados, seguida do ato sexual propriamente dito, com 30.9%. 
    A realidade do Brasil, porém, é bastante diferente, informa o psicólogo e especialista em relacionamentos amorosos Thiago de Almeida. Segundo Almeida, a maioria das brasileiras tem o hábito de apenas beijar no primeiro encontro, para testar o parceiro. "Ela quer saber se ele beija bem, se tem 'pegada'", exemplifica. 
    "A brasileira procura ter ao menos 10 encontros antes de topar uma relação sexual, pois ela busca ser valorizada pelo parceiro, se afastando do sexo casual." E, quando o assunto é sexo oral, o cenário é ainda mais delicado. "O ato só é realizado quando ela já tem muita confiança no parceiro", resume. 

Labels