Qual livro escrito pelo psicólogo, Dr. Thiago de Almeida, você já teve a oportunidade de fazer o do

Leia o conteúdo desse blog em teu idioma

sexta-feira, 3 de junho de 2011

10 mandamentos para um relacionamento saudável

Compartilharei com vocês o que chamo de 10 mandamentos para um relacionamento saudável e que eu aplico em meu consultório.
1)      Tenha a certeza de que você quer passar a sua vida ao lado da pessoa com quem você quer se casar e então, viva COMO SE FOSSE A PRIMEIRA VEZ viva assim e vai ver como sempre será especial: o 1º olhar, o primeiro toque, o primeiro carinho, o primeiro respeito, dentre outros;
2)Tenha a certeza de que você está pronto(a) para abrir mão de coisas que você achava importante, mas na verdade são besteirinhas que não custa nada deixar barato;
3)Veja se você está usando o pronome "nós" ao invés de "eu";
4)NUNCA abra mão de sua individualidade e tenha a certeza de que a pessoa com que você vai se casar também não irá abrir mão da dele. Poucas coisas na vida são piores do que alguém dependente de outra pessoa! Depois disso você vai saber levar tudo com a maior naturalidade e maturidade;
5)Tenha a certeza de que você está a fim de se casar porque você AMA a pessoa, e não porque depende dela financeira, emocional ou psicologicamente;
6)Mais importante que dormir juntos é acordar juntos. A paixão, o tesão podem não acabar, mas entram em um estado de latência com o tempo. O que deve persistir é o carinho, a atenção e o RESPEITO mútuos. Então, convivam juntos por um tempo até AMBOS terem a certeza de que desejam permanecer juntos.
7)Como uma planta, o amor MORRE se não for cultivado no dia-a-dia. Uma palavra mais dura, um comentário sarcástico só para descontar um esporro que levou no trabalho, transformam-se em um (mau) hábito que mata o amor.
8) H O N E S T I D A D E para com o/a parceiro(a) é A fórmula secreta do sucesso. Habituar-se a mentir, enganar, trapacear é o primeiro passo para colocar (ou receber) um belo par de chifres... Veja que aqui entra, de novo, a máxima sobre RESPEITO, amor , confiança e fidelidade.
9) Nunca se acostume ou entre em rotina com a desculpa de que o tempo muda a situação ruim: isso é uma inverdade! Periodicamente, então,  fazer um "Intervalo" do dia a dia e fazer um Jantar Fora, Um Passeio mesmo que pequeno, Uma ida ao Cinema enfim pequenas coisas mas que demonstram que existe interesse em Agradar ou melhor continuar a agradar a(o) parceiro (a). De quando em vez, obsequiar o parceiro (a) com uma pequena lembrança que pode ser Uma Flor, Um Chocolate, Um Porta Chaves, coisas pequenas mas que têm interesse pela LEMBRANÇA.
10) Mas, acima de tudo... lembre-se de que o ato sexual começa em um primeiro ‘bom dia’ de um primeiro gesto com afabilidade.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

O significado do anel de Tucumã

Anel de Tucum - Compromisso com as causas populares
Muitos se perguntam o que significa este anel preto que utilizamos nas mãos, e por isso resolvemos escrever este post.
Primeiramente, este anel preto chama-se “anel de tucumã”. Tucumã é o nome de uma palmeira da amazônia, da qual sua madeira, é utilizada para fazer este anel.
O anel de tucum é um símbolo usado por aqueles/as que acreditam no compromisso preferencial das Igrejas com os pobres. Também um símbolo de solidariedade que está nas mãos de muita gente de norte a sul do nosso país e também nas mãos de várias pessoas de nossa América Latina e da Europa, que lutam pela justiça e se engajam em pastorais sociais (das igrejas cristãs especialmente), entidades, movimentos sociais e ONG´s que lutam a favor dos que são explorados pelo capitalismo selvagem.
Na época do Império, quando o ouro era usado em grande escala entre os opressores, principalmente nos anéis, os negros e os índios não tendo acesso ao ouro, criaram o ANEL DE TUCUMÃ como símbolo de pacto matrimonial, símbolo de amizade entre si e também de resistência na luta por libertação. Era símbolo clandestino cuja linguagem somente eles sabiam. O anel de tucumã agregava os oprimidos, em busca de vida, mesmo no meio de tanta opressão.
O objetivo é resgatar este compromisso e denunciar as causas da pobreza. Este é o compromisso simbolizado nesta aliança, já que tanto no Antigo quanto no Novo Testamento os profetas e apóstolos afirmam a fidelidade de Deus aos pobres e oprimidos. A aliança de tucumã é o sinal desta fidelidade, deste compromisso.
Além da Bíblia, a opção pelos pobres é testemunhada também por toda a tradição da Igreja, principalmente na América Latina, a partir do Concílio Vaticano II e das Conferências dos Bispos em Puebla e Medelin. Esta opção é a essência mesmo da vida cristã porque está ligada à imitação da vida de Cristo. Mas esta opção não é apenas uma responsabilidade individual. Neste momento da história, ela implica um compromisso social que está ligado à partilha e acesso à propriedade dos bens absolutamente necessários à vida. Deus está do lado dos pobres porque Deus ama os pobres. Por isso o cristão é chamado a seguir este mesmo exemplo de amor e opção preferencial que tenta promover a dignidade humana. No pobre revela-se o rosto do próprio Deus.
Existe também uma comunidade sobre o Anel de Tucumã na rede solcial Orkut. Clique aqui para acessá-la.
No filme “Anel de Tucum”, Dom Pedro Casaldáliga explica assim o sentido desta aliança: “(…) Este anel é feito a partir de uma palmeira da Amazônia. É sinal da aliança com a causa indígena e com as causas populares. Quem carrega esse anel significa que assumiu essas causas. E, as suas conseqüências. Você toparia usar o anel? Olha, isso compromete, viu? Muitos, por causa deste compromisso foram até a morte (…)”.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

A origem brasileira do Dia dos namorados


De acordo com estimativas mais de 400 mil brasileiros devem comprar neste ano algum presente para o Dia dos namorados. Existem diferentes versões a respeito da origem deste dia. Mas, certamente quem inventou o dia dos namorados não foram às pessoas apaixonadas. Aliás, todos os solteiros estão aí a nos lembrar que o dia 12 de junho, embora coincida com a véspera de um santo relacionado com “casórios”, é uma data puramente comercial. Independentemente, deste ponto de vista influenciado por certo despeito, perdoe-me os solteiros, o Dia dos namorados é uma data que ainda inspira muitos casais. Para quem já está acompanhado é um dia para celebrar o amor e para quem ainda procura um par é um dia para investir. E tudo está valendo. Desde as tradicionais cantadas às estratégias mais ousadas.
Internacionalmente o dia dos namorados é tradicionalmente comemorado como Dia de São Valentim, no dia 14 de fevereiro. No entanto, no Brasil celebramos anualmente no dia 12 de Junho, exatamente na véspera do dia de um outro santo da igreja católica chamado santo Antônio, também conhecido por seus ‘méritos’ enquanto casamenteiro. Este santo português tem sua tradição consagrada como casamenteiro, provavelmente devido suas pregações a respeito da importância da união familiar em sua época.
Contudo, o fato dessa celebração acontecer em meados do mês de Junho não está relacionado com o santo padroeiro dos casamentos, mas antes com uma ação publicitária que retoma ao ano de 1949. Para melhorar as vendas de junho, mês considerado o mais fraco para o comércio, um publicitário de nome João Dória, ligado à Agência Standard Propaganda, lançou a pedido da extinta loja Clipper, uma campanha para melhorar as vendas de Junho. A campanha, com o apoio da Confederação do Comércio de São Paulo, consistiu na mudança do dia de São Valentim para o dia 12 de Junho, com o slogan: “NÃO É SÓ DE BEIJOS QUE VIVE O AMOR”.
A propaganda surtiu efeito e as vendas subiram consideravelmente e a Agência Standard ganhou o prêmio de agência publicitária daquele ano. A data foi criada pelo comércio paulista e depois assumida por todo o comércio brasileiro para reproduzir o mesmo efeito do Dia de São Valentim, equivalente nos países do hemisfério norte, para incentivar a troca de presentes entre os "apaixonados".
E é por esta razão que o Brasil não segue o calendário internacional que comemora o Dia dos Namorados no dia de São Valentim. Desde então, 12 de junho se tornou uma data especial, unindo ainda mais os casais apaixonados, com direito a troca de presentes, cartões, bilhetes, flores, bombons... E assim, junho é a época dos apaixonados presentearem seus(suas) parceiros(parceiras) com surpresas agradáveis como demonstração de amor e carinho, sejam elas materiais ou de qualquer outra natureza.

Labels